Segurança em Altura: 10 Medidas para Prevenir Acidentes

A prevenção de acidentes é um tema de extrema importância nas empresas e seu investimento não deve ser visto apenas como um gasto para a adequação à legislação.

E nesta área todo cuidado é pouco, já que na maioria das vezes o trabalho é realizado em ambientes abertos, como um altura maior que dois metros como, edifícios, arranha céus, postes, entre outros.

A atenção deve ser redobrada para estes profissionais, pois eles correm o risco de queda de altura e ter lesões graves e até mesmo fatais.

Na maioria dos acidentes que ocorrem é tanto por falhas humanas como falhas materiais. Por isso, é muito importante um planejamento e organização para reduzir acidentes em trabalhos em altura.

Pois a segurança influencia diretamente na produtividade de uma empresa, já que é uma das razões mais importantes para o sucesso de um negócio.

Por isso, separamos 10 medidas para previr acidentes em Altura, que sua empresa pode adotar para prevenção.

Medida 1# CAPACITAÇÃO E AUTORIZAÇÃO DOS TRABALHADORES

Todo trabalhador que foi submetido a treinamento e, cujo estado de saúde foi avaliado e tendo sido considerado apto para executar a atividade, está capacitado para trabalhar em altura.

Em relação avaliação do estado de saúde dos trabalhadores capacitados e autorizados para trabalho em altura, a empresa deve garantir que:

  • Os exames e a organização de avaliação sejam partes integrantes do Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional (PCMSO), devendo estar nele consignados;
  • A avaliação deve ser realizada regularmente, considerando os riscos envolvidos em cada situação;
  • Seja realizado exame médico voltado às patologias que poderão originar mal súbito e queda de altura, levando em consideração os fatores psicossociais.

Medida 2# A habilidade para trabalhos em altura deve ser indicada no estado de saúde ocupacional do trabalhador;

Medida 3# É obrigação da empresa manter cadastro atualizado que permita conhecer a abrangência da autorização de cada trabalhador para trabalho em altura;

Medida 4# Implantação de medidas para evitar os trabalhos em altura, sempre que existir meio alternativo de execução;

Medida 5# Todo trabalho em altura deve ser realizado sob fiscalização, cuja forma será definida pela análise de risco de acordo com as particularidades da atividade;

Medida 6# Implantação de medidas que excluam o risco de queda dos trabalhadores, na impossibilidade de execução do trabalho de outra forma;

Medida 7# Implantação de medidas que reduzam a distância e as consequências da queda, quando o risco de queda não puder ser eliminado;

Medida 8# Todo trabalho em altura deve ser precedido de uma Análise Preliminar de Riscos (APR), que considere:

  • Isolamento e a sinalização no entorno da área de trabalho;
  • Local em que os serviços serão executados e seu entorno;
  • Estabelecimento dos sistemas e pontos de ancoragem;
  • As condições meteorológicas adversas;
  • A seleção, inspeção, forma de utilização e limitação de uso dos Sistemas de Proteção Coletiva e Individual (EPC, EPI), atendendo às normas técnicas atuais, às orientações dos fabricantes e os princípios da redução do impacto e dos fatores de queda;
  • Risco de queda de ferramentas e materiais;
  • Trabalhadores que apresentem riscos específicos simultâneos;
  • Atendimento aos requisitos de segurança e saúde inclusos nas demais normas regulamentadoras;
  • Riscos adicionais;
  • Condições impeditivas;
  • Situações de emergência e o planejamento de resgate e primeiros socorros, de forma a diminuir o tempo de suspensão inerte do trabalhador;
  • Necessidade de sistema de comunicação;
  • A forma de supervisão.

Medida 9# Todas as atividades de trabalho em altura não rotineiras devem ser previamente autorizadas mediante permissão de trabalho (PT).

Medida 10# As medidas de controle devem ser declaradas na Análise de Risco e na Permissão de Trabalho.

Além de todas essas medidas de prevenção a acidentes em altura, não podemos nos esquecer das Responsabilidades dos Trabalhadores, tais como:

  1. a) Cumprir as disposições legais e regulamentares sobre o trabalho em altura, inclusive os procedimentos expedidos pelo empregador;
  2. b) Colaborar com o empregador na implementação das disposições contidas nesta Norma;
  3. d) Interromper suas atividades exercendo o direito de recusa, sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes para sua segurança e saúde ou a de outros, comunicando imediatamente o fato a seu superior, que tomará as medidas cabíveis;
  4. e) Zele pela sua segurança e saúde e a das outras pessoas que possam ser afetadas por suas ações ou omissões no trabalho.

Para a segurança dos profissionais que trabalham em altura é necessário que as empresas utilizem EPIs seguros para seus funcionários.

É muito importante que a empresa que executa trabalhos em altura tenha um cuidado redobrado para este tipo de atividade.

A NR 35 detalha como este trabalho deve ser executado e as principais medidas para evitar a ocorrência de acidentes, por isso é indispensável sua aplicação, tanto para a segurança da empresa, quanto para a do profissional.

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.